Audiovisual Students Jury

One of the greatest pleasures we have with the festival is seeing the changes in our audience. Hosting the new generation, on and off screen, gives us an extra dose of strength and satisfaction. We want to have more – and closer – young people who are now starting to take their own steps in audiovisual.

In this first edition of the Audiovisual Students Jury, we opened call for students of several schools – universities or not – to take part in a group that will watch, discuss and choose the highlights of the 8th Week, according with their view.

Ana Paula Vieira

Ana Paula (Fortaleza, 1998) é estudante do 4º período de Cinema e Audiovisual na Universidade Federal do Ceará. Foi bolsista PIBIC – Funcap 2015-2016 do projeto de pesquisa e intervenção Coletivo AudioVisual do Titanzinho, no PPGArtes ICA|UFC. Tem interesse em cineclubismo e nos atravessamentos do cinema em relação às outras linguagens artísticas, como a dança e a arte contemporânea.


Catarina Almeida

Catarina Almeida, 22 anos, é estudante do 8º período de Cinema na Universidade Estácio de Sá. Aos 16 anos cursou a escola técnica do Cinema Nosso, onde teve sua primeira experiência cinematográfica, e iniciou sua produção de curtas experimentais e ficcionais. Atualmente, está em processo de finalização do seu próximo curta-metragem, Maria Adelaide. Desde 2011 pesquisa sobre o cinema feminino mundial e o movimento Cinema Marginal, com foco nas obras de Rogério Sganzerla e Helena Ignez. A última é seu objeto principal de estudo, com a qual trava um diálogo entre a desmistificação do termo empregado “diva” e a relação com mulheres que vão além do estrelado de diva com uma presença artística inventiva agregadora, como Helena Ignez em Copacabana, Mon Amour.


Lorran Dias

Lorran Dias, 22 anos, é realizador audiovisual, atua no coletivo Anarca Filmes e cursa o 8º período de Rádio e TV da Escola de Comunicação da UFRJ. Há três anos participa como curador, produtor e monitor do projeto de extensão e disciplina eletiva “Cinerama Cineclube” e da mostra de cinema brasileiro contemporâneo da ECO/UFRJ: a Semana Cinerama. Seus estudos direcionam-se a pensar a “Memória”, parar atuar em o utros desdobramentos como “Narrativa, Corpo e Imagem”. Vivente das potências e culturas periféricas utiliza das impressões sobre imagem para refletir a propósito da vida em movimento e suas relações políticas inclusas. Na produtora Taiga Fimes, estagiou na equipe de direção do Praça Paris (2017) e produção do Em Três Atos (2015) (dir.: Lucia Murat), produziu e preparou o elenco de À Espera dos Bárbaros (dir.: Matheus Rufino, 2017). Além disso, contracenou nos filmes O Olho do Cão (dir.: Samuel Lobo, 2017) e Máquina Mortífera (dir.: Janaína Castro Alves, 2017). Também possui trabalhos com vídeo, assim como consulta de roteiro em outros curtas-metragens.


Lucas Reis

Lucas Reis, nascido no dia 31/03/1990, cursa o 10º período de cinema e audiovisual – licenciatura pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Atualmente é monitor da disciplina de História do Cinema Mundial e promove o cineclube da disciplina na universidade. Durante a graduação, foi monitor da disciplina de História do Cinema Brasileiro e realizou uma iniciação científica sobre narrativas gráficas. É curador do Festival Brasileiro de Cinema Universitário (FBCU), do Festival de Cinema Universitário Latino Americano – Perro Loco e membro do laboratório universitário de preservação audiovisual (LUPA). Fez estágio na Cinemateca do Museu de Arte Moderna (MAM), entre 2013 e 2014. Produziu a mostra Telas Fluminenses e a I Mostra de Horror Nacional – Desenterrados. Já ofereceu oficinas de cinema em diversos espaços educacionais formais e não-formais.